Banner delegado-geral

Delegado-geral da Polícia Civil acredita em entendimento

Policiais civis decidiram paralisar parte das atividades da instituição na última quarta-feira, 8. Um protesto em frente ao palácio Rio Branco foi realizado. Segundo o presidente do sindicato da categoria, Itamir Lima, a falta de estrutura prejudica o desempenho das atividades na instituição.

Durante participação no ‘Gazeta Entrevista’, na noite de quinta-feira, 9, o delegado-geral de Polícia Civil, Emylson Farias, falou sobre o assunto. Perguntado sobre o efetivo, ele foi direto: “Nenhuma polícia civil do país tem o efetivo dos sonhos.”

Emylson disse que, em breve, 250 novos agentes devem integrar o quadro da instituição. Os alunos estão na fase final do processo. “Precismaos fazer mais. A polícia precisa estar sempre melhorando”, comentou.

Mesmo com o problema no número de policiais, Farias disse se orgulhar da PC acreana. O delegado-geral destacou o trabalho de combate ao crime nos últimos anos, principalmente, a repressão ao tráfico de drogas.

Ele também lembrou dos investimentos feitos na parte física das delegacias, fortalecimento do setor de inteligência e adiantou que, na próxima semana, 30 novas viaturas serão entregues para fortalecer o trabalho.

Sobre uma possível greve, o delegado-geral acredita em entendimento. Ele argumentou que os políciais tiveram aumento de 42% no salário e que este percentual só não é maior devido a recusa do sindicato da categoria. “Jogamos fora 16% de aumento”, expôs.

Ao final da conversa com o jornalista Alan Rick, Emylson Farias comentou o caso das marmitas contaminadas do Hospital das Clínicas, em novembro de 2013. POr enquanto, segue o trabalho de investigação. A hipótese de sabotagem ainda não está descartada. “É um caso que merece cuidado e atenção especial”, revelou o delegado-geral que preferiu não estender o assunto.

Deixe uma resposta