thumb cacmp

Em dois anos, mais de 20 mil pessoas foram atendidas pelo CAC do Ministério Público

Quando surge algum problema, seu Albecir dos Santos acorda cedo em busca de solução. Ele é morador da Vila do V, em Porto Acre. Na parada de ônibus, o homem espera condução que vai levá-lo até Rio Branco. Pouco mais de 40 quilômetros e quase uma hora depois, a viagem termina no centro da capital acreana.

Mais alguns passos e seu Albecir logo chega a sede do Ministério Público estadual. Na recepção, ele é reconhecido pelas atendentes. O homem já é uma ‘espécie’ de cliente da instituição. Toda vez que surge algum impasse, seu Albecir não pensa duas vezes.

Encaminhado para o Centro de Atendimento ao Cidadão, CAC, a conversa é rápida e ao mesmo tempo objetiva e esclarecedora. Para conseguir uma transferência de aposentadoria, ele foi encaminhado a defensoria pública. “Quando se diz Ministério Público é do público. Então vejo que o Ministério está pronto para atender o cidadão na necessidade dele”, disse o aposentado.

Até pouco tempo, o serviço não existia no Ministério Público Acreano. Sem nenhum tipo de orientação, verdadeiras peregrinações eram feitas pelos órgãos públicos. No início, a procura pela central era baixa. Mas aquela famosa propaganda ‘boca a boca’ logo começou a interferir diretamente nos números de atendimentos. Criado em janeiro de 2010, mais de 20 mil pessoas já passaram pelo espaço. Os motivos são os mais diversos, mas o objetivo é um só: encontrar uma solução.

Dona Raimunda Trindade procurou o Ministério Público pela primeira vez. Depois de receber várias negativas, a instituição seria a última porta a bater. “Cheguei a Oca e a disseram que era na Defensoria. Cheguei lá e me disseram que era para procurar o Ministério Público. Disse para meu marido que iria desistir neste negócio”, desabafou.

Após preencher o cadastro na instituição, a dona de casa foi encaminhada ao CAC. Para a atendente, ela expôs o que estava acontecendo. A solução apresentada para resolver a forma de receber a aposentadoria do sogro falecido foi procurar a defensoria pública. “Tive parte do problema resolvido por aqui. Espero que dê certo”, expôs.

Assim como dona Raimunda, 65% das pessoas que procuram a central de atendimento ao cidadão são encaminhados para outros órgãos. “A gente diz o que ela deve fazer, quais documento deve reunir, a instituição que deve procurar primeiro. A pessoa sai daqui com tudo bem encaminhado. Se ainda tiver dúvida, a pessoa pode retornar para que possamos reorientá-la”, argumenta Nazaré Gadelha, coordenadora do CAC/MP.

Patricia Rêgo, procuradora-geral de Justiça, avalia de forma satisfatória a implantação do CAC nesses dois anos. “Temos registros de casos comoventes, de pessoas em situações de vulnerabilidade social, violência, que vieram ao Ministério Público e que estavam desesperadas e encontraram uma solução para o seu problema. Isso para a gente é gratificante”, enfatizou.

Mais que um serviço, quem procura o local, sabe que vai sair daqui com pelo menos alguma certeza. “Chegando no Ministério Público não tem perca de tempo. Quando chega é atendido com carinho, respeito e sem discriminação nenhuma”, resumiu Albecir.

Deixe uma resposta