Jogadores brasileiros tentam explicar vexame

O massacre em campo diante dos alemães, na terça-feira (8) no Mineirão, dificilmente será esquecido nas próximas gerações. Cientes disso ou não, os jogadores da Seleção Brasileira, visivelmente consternados depois do jogo, tentavam dar explicações para o episódio.

“É difícil arrumar alguma explicação. Ninguém esperava que acontecesse aquilo naquele período, em que tomamos quatro gols em seis minutos. Tudo deu certo para eles e tudo errado para nós”, afirmou Willian, um dos cotados para entrar na vaga do machucado Neymar mas que só entrou no segundo tempo da partida. “Ainda estamos todos tentando entender. Mas acho que é isso: o futebol, muitas vezes, tem coisas que não permitem explicação.”

“Nós fizemos o pior jogo de nossas vidas e a Alemanha fez o melhor”, afirmou o zagueiro David Luiz, que herdou a faixa de capitão do suspenso Thiago Silva. “Derrota é sempre derrota, mas desta forma ela dói mais”, acrescentou o defensor, entre lágrimas. “É muito duro o fato de tudo ter acontecido num curto espaço de tempo e de, depois, termos que conseguir lutar até o fim, sabendo que era impossível. Eu pensava: se isso aqui é um sonho, quero que ele acabe agora”, disse, em referência ao fato de que quatro gols da Alemanha terem sido marcados entre os 20 e os 29 minutos do primeiro tempo.

Logo após o apito final, o goleiro Julio Cesar ainda tentava processar as informações. “Eu peço desculpas ao povo brasileiro. Até agora vínhamos bem, fortes. Foi muito inesperado. Muito triste. Agora vamos precisar voltar para casa e buscar o conforto com nossos familiares”, disse o goleiro, que afirmou que encerrará a carreira na Seleção em Copas do Mundo na disputa de terceiro e quarto, sábado, no Estádio Nacional Mané Garrincha, em Brasília.

O atacante Fred, muito criticado pelos torcedores no Mineirão, definiu o episódio como a pior derrota da carreira dos 23 jogadores convocados por Felipão. “É um momento de grande tristeza e desapontamento. Certamente ficaremos marcados pelo resto de nossas carreiras por esse jogo. Nós vamos ter de seguir em frente e nos apoiar em pessoas que possam nos ajudar nesse momento de dificuldades que teremos”, disse.

A goleada por 7 a 1 foi a maior derrota sofrida pela Seleção Brasileira em toda a sua história. Foi também o placar mais “desigual” de uma semifinal da Copa do Mundo. A partida de 8 de julho é a segunda grande decepção da Seleção Brasileira em um Mundial organizado em casa. Em 1950 o Uruguai venceu a final daquela Copa do Mundo no Maracanã por 2 a 1.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*