thumb marina4

Marina cobra campanha limpa na Internet

Dez dias depois de um artigo com críticas severas ao governador Eduardo Campos (PSB) ser postado na página oficial do PT no Facebook, a ex-senadora Marina Silva aproveitou o seu artigo semanal na Folha de São Paulo para cobrar uma campanha limpa na Internet. ”No Acre, pelos idos dos anos 90, criamos uma ‘campanha de limpeza da campanha’ para combater a baixaria. Precisamos de uma assim, no Brasil”, defende no texto.

Marina, que se filiou ao PSB no dia 5 de outubro e deve ser vice de Campos na disputa pela Presidência da República contra a petista Dilma Rousseff, não cita diretamente a nota do PT, mas critica a existência de calúnias, difamações e injúrias na Internet. No mesmo texto que trata o governador pernambucano como “tolo” e “playboy mimado”, Marina é chamada de “ovo da serpente”.

“Não bastassem a indústria dos dossiês, as notinhas maldosas nos jornais e as ‘reportagens’ encomendadas para expor fraquezas reais ou inventadas, temos agora a guerrilha virtual que cria territórios inóspitos na internet. Calúnia, difamação, injúria e ofensas formam uma espécie de enxurrada que arrasta o Brasil para o atraso onde prosperam várias modalidades de protofascismo”, ataca a ex-senadora.

No artigo, Marina pede ainda que os dirigentes partidários assumam a responsabilidade pela ação de seus “companheiros”. A postagem no Facebook do PT não foi assinada e o partido não divulgou o nome do autor, mas o vice-presidente da legenda, Alberto Cantalice, admitiu ter autorizado a publicação. Após a polêmica, a Direção da sigla redobrou o controle sobre as redes sociais e afirmou que textos terão que passar pelo crivo do presidente nacional do partido, Rui Falcão.

Ministra do Meio Ambiente no primeiro mandato do ex-presidente Lula, Marina lembrou ainda que o líder petista já teve que enfrentar críticas desse gênero antes de chegar ao Planalto. ”Lembro de antigas campanhas, com Lula e o PT enfrentando calúnias e preconceitos em boatos, panfletos apócrifos e pichações nos muros”, registrou.

A ex-senadora pede ainda que o PSB não use da mesma estratégia para rebater os ataques. ”Nada de ‘responder na mesma altura’, quer dizer, na mesma baixeza. O foco deve estar nas ideias e propostas”, defendeu.

Leia o artigo abaixo:

Campanha de limpeza

É intolerável a situação que vivemos em anos eleitorais, marcados por uma degradante agressão verbal contra candidatos e lideranças políticas. Não bastassem a indústria dos dossiês, as notinhas maldosas nos jornais e as “reportagens” encomendadas para expor fraquezas reais ou inventadas, temos agora a guerrilha virtual que cria territórios inóspitos na internet. Calúnia, difamação, injúria e ofensas formam uma espécie de enxurrada que arrasta o Brasil para o atraso onde prosperam várias modalidades de protofascismo.

Todos sabemos quem são os responsáveis por essa guerra. Eles estão na direção dos partidos mais poderosos, cujos militantes, geralmente remunerados, seguem sua pauta e comando no ataque aos alvos definidos. E chamam isso de tática e estratégia numa disputa supostamente ideológica entre esquerda e direita.

No final, todos perdem. O Brasil é derrotado. Quando as multidões foram às ruas no ano passado disseram claramente: essa política não nos representa. Na verdade, os que a fazem não representam nem a si mesmos. Não adianta ficarmos dois ou três anos nos tratando com cortesia diante das câmeras e preparando novos ataques para o período eleitoral.

Também sobre isso o Brasil necessita de um acordo, um pacto de não agressão. Críticas e divergências expostas com firmeza e veemência ajudam. Ninguém precisa ficar melindrado, o debate é próprio da democracia. Mas a linguagem chula dos desaforos anônimos ou “fakes” não devem ser estimulados nem acobertados. Assumimos um compromisso assim em 2010 e o levamos a cabo durante toda a campanha, insistindo que era um debate, não um embate. Por isso sei que é possível.

As cenas de violência que vemos nos presídios e nas ruas, o drama de milhões de pessoas nas enchentes, o caos do transporte urbano, tudo isso nos mostra a realidade e a urgência da crise civilizatória e deveria ser suficiente para nos dar um mínimo de consciência. Quem sabe, até um novo sentimento que, como ouvi do psicanalista Ricardo Goldenberg, tenha menos culpa e mais vergonha.

Ainda há tempo para o entendimento. A primeira condição é que os dirigentes assumam a responsabilidade, que de fato têm, sobre a ação de seus companheiros. A segunda é de que a decisão de manter o bom nível seja incondicional, nada de “responder na mesma altura”, quer dizer, na mesma baixeza. O foco deve estar nas ideias e propostas.

Lembro de antigas campanhas, com Lula e o PT enfrentando calúnias e preconceitos em boatos, panfletos apócrifos e pichações nos muros. No Acre, pelos idos dos anos 90, criamos uma “campanha de limpeza da campanha” para combater a baixaria. Precisamos de uma assim, no Brasil.

 

Deixe uma resposta