Na Capital, audiência pública discute resíduos sólidos

A primeira audiência pública sobre gestão integrada de resíduos sólidos teve a participação de representantes de vários setores da sociedade, que discutiram a implementação, no âmbito do município, de novas práticas para a destinação correta do lixo. O evento aconteceu nesta quarta-feira, no auditório da Secretaria Estadual de Educação.

Por força de uma lei federal, em vigor desde 2010, todos os municípios do país terão que desativar os chamados lixões até o fim de 2014, e adotar um plano de gestão dos resíduos sólidos que possa minimizar os impactos ambientais da poluição.

O município de Rio Branco já iniciou a implantação dessa nova política ambienta,l com a construção da unidade de tratamento de resíduos sólidos, a UTRE, inaugurada em 2011. Até o final do ano o poder público municipal deve adotar outras medidas.

“ Esse plano é para ir além, e tratar os resíduos da construção civil, dos setores comerciais, o lixo hospitalar que precisa de um tratamento especial, o trabalho que temos que fazer para conscientizar as áreas de proteção ambiental, então é um plano que vai integrar as ações da prefeitura, governo e diversos setores da sociedade”, afirma o prefeito Marcos Alexandre.

O grande avanço da lei de gestão integrada de resíduos sólidos é por em prática a chamada ´logísitica reversa´, na qual cada setor da cadeia produtiva da economia ficar responsável por dar a destinação correta ao lixo que produz.

A indústria de alimentos, por exemplo, terá que dar a destinação correta às embalagens dos produtos, depois que elas se tornarem lixo doméstico. “ Isso é uma cadeia que ela vem da indústria, passa pelo distribuidor, vai para o varejo e chega ao consumidor. Ela tem que ter essa logística reversa de fazer o caminho de volta, para que esse lixo seja reciclado”, explica Luiz Deliberato Filho, da Associação Brasileira de Supermercados.

Na audiência pública desta quarta-feira foi apresentado um diagnóstico da situação em Rio Branco, mostrando dados como a origem, o volume, as características e a destinação para o lixo praticada atualmente no município.

“ Nosso objetivo aqui é validar aquilo que foi elaborado junto com a sociedade, onde a elaboração desse plano vai trazer diretrizes para o município trabalhar nos próximos vinte anos a destinação dos resíduos solidos”, afirma Silvia Brilhante, secretária municipal de meio ambiente.

Deixe uma resposta