Banner Cruzeiroabastecendo

Pela primeira vez, Cruzeiro do Sul é responsável por abastecer o estado

Esta semana, o rio Madeira ultrapassou os 19 metros de profundidade e confirmou as previsões. Transitar pela BR-364 virou sinônimo de aventura e também perigo. A lâmina d’água, em alguns locais, é de um metro.

Quem se arrisca passa com muita dificuldade, outros não têm a mesma sorte e apresentam problemas mecânicos durante a travessia. Por causa disso, empresas que fazem o transporte de cargas decidiram suspender as viagens ao Acre.

A consequência é a redução no estoque de vários produtos. Alternativas estão sendo adotadas. Como o transporte em aviões da Força Aérea Brasileira. Em balsas pelo rio Acre e uma rota adotada pela primeira vez.

A maior parte do combustível que abastece o estado sai das bases da Petrobras em Cruzeiro do Sul. Nos últimos dias, o movimento no local é intenso. Veículos chegam e saem a todo instante.

Sairon Vasconcelos é proprietário de uma empresa que faz o transporte do produto. Ele conta que a demanda aumentou bastante. Antes, o empresário trabalhava com dez motoristas, agora esse número triplicou. “Não trabalhávamos no sábado, agora estamos para dar conta do  serviço”, comentou.

A capacidade do local é limitada. Com o fluxo além do normal, o carregamento pode levar até  duas horas. Com o funcionamento da nova estrutura, o problema será resolvido. O espaço é amplo e a quantidade de armazenamento supre a demanda da região e atende outras cidades do estado.

No rio Juruá, balsas carregadas de combustíveis estão ancoradas. No principal porto de Cruzeiro do Sul, o movimento também é intenso. Em cima das embarcações estão diversos produtos, como gás de cozinha e cimento. Nos próximos dias, 60 mil sacas do produto chegam a Rio Branco.

Todos estes insumos são transportados pela BR 364. Desde 2011, a estrada está aberta o ano inteiro. Por causa da situação de emergência decretada no estado, os limites de cargas estabelecidos foram suspensos temporariamente.

O que os motoristas de Cruzeiro do Sul não entendem é o motivo de continuarem pagando R$ 3,70 pelo litro da gasolina. Já que o combustível que abastece a capital sai do município. A diferença no preço entre as duas cidades pode chegar a 40 centavos.

Deixe uma resposta