Banner PM

Polícia Militar registra 9 mil casos de crimes contra o patrimônio na Capital

O comando geral da Polícia Militar divulgou nesta quinta-feira, 2,  o balanço das operações realizadas na capital ao longo de 2013. Segundo a PM, de janeiro a dezembro do ano passado, foram registradas 68 mil ocorrências policiais em Rio Branco: que resultaram em 7.126 prisões, desse total 1.486 indivíduos eram menores de idade.

Ainda segundo o balanço da PM, durante o ano de 2013 a Polícia Militar tirou de circulação 368 armas, apreendidas em blitz e outras operações de rotina. Ao longo do ano foram recuperadas 220 motos e 80 carros, furtados ou roubados em Rio Branco e cidades vizinhas.

O comando-geral da PM também fez uma balanço da operação Papai Noel, iniciada em Rio Branco no mês de novembro e concluída nesta terça-feira. O índice de roubos e furtos na capital caiu nesse período, segundo a PM.

“O balanço foi positivo, tanto do período da Papai Noel, como da festa de réveillon. Percebemos também que do ano de 2013 dezembro foi o mês que nós tivemos os menores índices de criminalidade este ano”, declara o sub-comte. geral PM. cel. Mario César.

Ao divulgar o balanço das operações realizadas em 2013 a Polícia Militar não fez nenhum comparativo com os números do ano anterior, para saber se houve aumento ou diminuição dos índices de violência.

Mas em relação aos números de 2013, pelo menos um dado chama a atenção: o número de roubos e furtos registrados em Rio Branco no ano passado. De janeiro a dezembro de 2013 foram registrados na capital mais de 9 mil casos de crimes contra o patrimônio, sendo 5.207 casos de furto, e 4.217 casos de roubo, com uma média de 785 casos por mês, em números oficiais.

Segundo o comando da PM, muitos casos de roubos e furtos acontecem por falta de preocupação de quem deveria fazer o mínimo, para preservar seu patrimônio.  “ Nós citamos o exemplo de uma loja que agora no sábado foi arrombada. É uma loja grande da cidade, felizmente nós conseguimos fazer a prisão da quadrilha, e percebemos que não havia nessa loja nenhum sistema de segurança, de vídeo-monitoramento, nenhum alarme, e isso é uma fator que ajuda muito ao meliante”, afirma o subcomandante  geral PM. cel. Mario César.

Deixe uma resposta