Produtor investiga sozinho furto de seu carro

Cansado, desesperado e sozinho, um produtor rural saiu em busca de jornalistas para desabar e denunciar a falta de empenho da polícia em investigar o furto de seu veículo.  Vagner Bezerra da Silva anda com a foto de uma Toyota Bandeirantes e um pulverizado que estava na caçamba da caminhonete, que custa mais de R$ 30 mil. Ele oferece uma recompensa de R$ 5 mil para quem lhe passar informações. Só que todo o esforço pode ser em vão.

Segundo as últimas informações que conseguiu, a Toyota pode estar em Rondônia, e teria sido furtada por uma quadrilha de Porto Velho,  especializada em furtos de veículos que estaria agindo em Rio Branco.

Ele conta que o furto aconteceu no dia 23 de junho deste ano,  data em que a Seleção Brasileira jogava.

Quando notou o desaparecimento do veículo foi até a delegacia do Segundo Distrito, mas não encontrou o delegado. Mesmo assim, registrou a queixa.

Quando Vagner  notou que a policia não estava investigando, saiu sozinho em busca de informações. Com a  Polícia Rodoviária Federal conseguiu uma foto do carro passando pela BR-364 rumo a Porto Velho-Rondônia.

Ele então foi dirigindo até o posto da Tucandeira, onde lhe informaram  que as câmeras de segurança não estão funcionando. Depois de oito dias, quando estava em Porto Velho, descobriu que, mesmo registrando a queixa em Rio Branco, no Sistema da Segurança Pública do Acre, não indicavam que a caminhonete tinha sido furtada. Foi então que registrou outro  boletim de ocorrência em Guajará –RO. Nesse período, dormiu na estrada, fez vigília,  mas não conseguiu descobrir muita coisa. E a maior revolta do produtor é que policia do Acre não lhe ajudou em nada.

Na investigação particular, Vagner conseguiu uma imagem num posto de abastecimento em Rio Branco, que acredita ser um dos ladrões de seu veículo. O adolescente pode ser o mesmo que aparece em uma reportagem de um site de Rondônia como membro de uma quadrilha que rouba veículos.

O delegado responsável pelo inquérito não quis gravar entrevista. Disse que não entende porque o carro não está no sistema como se fosse furtado, e quanto as informações adicionais, falta a vítima entregar a polícia para que comece a investigação e desconhece que exista uma quadrilha de Rondônia atuando no Acre.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*