Professores: Simplac critica política salarial

A manchete no site da Agência de Notícia do Acre, informando que o salário do professor do Estado é o quarto maior do país, perdendo apenas para o Distrito Federal, Amapá e Roraima, serviu de munição para o ataque da presidente do Sindicato dos Professores Licenciados do Acre, Simplac.

Para Alcilene Gurgel, os estados deveriam ter vergonha de mostrar os salários dos professores. Enquanto alguns cargos públicos de nível médio recebem mais de R$ 2.000,00 de salário, um professor com nível superior tem como base salarial, no Acre R$ 2.010,00. “é uma vergonha, as pessoas responsáveis pela formação dos indivíduos serem discriminados. Nossa formação é a mesma de muitas categorias que chegam a receber até 10 salários mínimos”, completou.

Pelo plano de cargos e salários dos professores do Estado, o profissional tem direito a promoção a cada três anos, quanto os salários também são reajustados. Mas, de uma letra para outra, o aumento é de R$ 200. Quando tiver 30 anos no trabalho, próximo à aposentadoria, ele vai ganhar R$ 3.082,00,  metade do que ganha muitas categorias no início de carreira, disse Gurgel.

O IBGE também ficou preocupado com os dados apresentados na matéria. Não existe pesquisa específica que aponte os salários dos professores no Brasil. A equipe responsável pela PNAD a pesquisa nacional por amostra de domicílios está analisando a matéria para descobrir onde surgiram os números apresentados.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*