thumb correDiego

Rios acreanos apresentam vazante

Enquanto os rios acreanos continuam baixando, trazendo tranquilidade para a defesa civil, o nível do rio Madeira continua subindo e agrava a preocupação com o abastecimento de produtos no Acre. No final de semana, a pedido do governdo do Estado, toneladas de alimentos chegaram com ajuda da FAB (Força aérea brasileira) e do exército brasileiro.

Em 24 horas o nível do rio Acre baixou 80 centímetros. Na manhã desta segunda-feira (03), chegou a cota de 13 metros e 12 centímetros. O momento segundo a coordenação da defesa civil é tranquilo também nos demais rios acreanos que continuam apresentando vazante. “O momento é de tranqüilidade mas nos mantemos alerta para que se acaso as águas voltem a subir, possamos dar resposta à sociedade”, disse o coordenador estadual da defesa civil, Coronel BM  Flores.

Estão abrigadas no parque de exposições cerca de 300 famílias, totalizando aproximadamente mil pessoas. Mesmo abaixo da cota de alerta que é de 13,50 centímetros, não há previsão para o retorno dos atingidos pela cheia, às suas casas.

Contudo, a preocupação das autoridades agora é com o nível do Rio Madeira, que continua subindo. Hoje atingiu 18 metros e 73 centímetros, cerca de 2 metros acima da cota de transbordamento. Com as restrições ao tráfego pela BR 364, único acesso terrestre do Acre aos demais Estados, as atenções se voltam para o abastecimento de produtos.

Neste domingo, chegaram quatro caminhões do exército brasileiro, carregados de farinha de trigo. Como eles tem suspensão alta, conseguiram passar pela BR 364 com segurança.

As 62 toneladas do produto foram destinadas para o abastecimento de uma distribuidora e um supermercado.

No sábado, duas aeronaves da Força aérea brasileira (FAB) desembarcaram no Estado, com 52 toneladas de alimentos. O governo pede agora que o Ministério da integração providencie uma aeronave maior para otimizar o transporte de produtos. “Eles tem que deixar o C130 que é uma aeronave de porte para 20 toneladas pelo menos 15 toneladas com cada vôo para dar conta da demanda do povo do Acre. Temos uma demanda expressiva de consumo e os alimentos perecíveis não sofrer nenhum tipo de dificuldade”, disse o governador Tião Viana.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*