Setembro marca a transição do verão seco para o inverno amazônico

Temporais, ventanias e chuvas de granizo podem ser vistas nessa época

Com a falta de chuva, baixa umidade relativa do ar e vegetação seca, acaba se tornando um ambiente propício para as queimadas acontecerem tanto nas áreas urbanas quanto rurais. Nos últimos dias, o número de ocorrência aumentou bastante. Mas esse cenário começa a mudar nas próximas semanas, pois na região chega o período do verão amazônico e começa o “inverno”.

Esse período de transição, ao mesmo tempo em que ameniza a ocorrência de incêndios, proporciona uma condição mais favorável para temporais. Os últimos registrados aqui no estado foram intensos, inclusive com chuva de granizo.

Granizo são pedras de gelo formadas em nuvens de grande extensão vertical. Quando essas pedras atingem um peso que supera as correntes de ar, ocorre a precipitação, e nem todo granizo consegue derreter antes de tocar o solo. Esse tipo de chuva não é raro, mas também não é tão comum aqui no estado.

Segundo o pesquisador da Universidade Federal do Acre (Ufac), Alejandro Fonseca, não é possível encontrar condições de um ambiente muito quente, tais que possam derreter essa água e converter em água novamente. Então, caem diretamente em forma de pedra. As pedras de granizo não possuem um tamanho definido, podendo medir de 5 a 200 milímetros de diâmetro.

Difícil se serem previstas, tempestades acompanhadas de chuva de granizo ainda podem ocorrem nas próximas semanas. “Essas condições que são de transição, possibilitam mais que esse tipo de chuva aconteça. Ventos e chuvas de granizos podem ser fenômenos raros, já que não acontece sempre, mas são relativamente coisas comuns”, afirma Fonseca.

Com informações da repórter Débora Ribeiro para a TV Gazeta

Deixe uma resposta