Casos de aids crescem em todo o Acre nos últimos anos

Maioria dos pacientes são homens de 20 a 34 anos, segundo Sesacre

Os casos de aids, causados pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV), aumentaram consideravelmente no Acre. Nos últimos cinco anos foram 1235 pessoas infectadas, segundo a Secretaria de Estado de Saúde do Acre (Sesacre), por meio do Departamento de Vigilância em Saúde e Núcleo de Infecções Sexualmente Transmissíveis.

Entre as regionais, o Baixo Acre foi a que apresentou o maior número, com 1029 novos casos. Na região do Juruá/Taraucá/Envira foram 75 infecções e na regional do Alto Acre foram 56 casos.

Completando esse quadro há 75 pessoas de outros estados, como Amazonas e Rondônia, principalmente vindas do interior, em tratamento da doença no Acre. A maior parte dos pacientes são homens entre 20 e 34 anos.

A aids é uma infecção sexualmente transmissível (IST), que também pode ser transferida para a pessoa por sangue infectado e da mãe que é portadora da doença para o filho durante a gravidez.

Para evitar a transmissão da aids, é recomenda o uso de preservativo [camisinha] durante todas as relações sexuais, a utilização de seringas e agulhas descartáveis e o uso de luvas para manipular feridas e líquidos corporais.

Geralmente, a doença começa sem sintomas, por isso é importante fazer o teste rápido. Em algumas ocasiões pode ser que logo no início a pessoa tenha sintomas parecidos com gripe ou dengue. Com o tratamento adequado, é possível obter uma vida normal.

Além disso, para ajudar as pessoas com essa infecção, o Estado do Acre e as Prefeituras disponibilizam tratamentos, inclusive com a profilaxia pós-exposição HIV de forma gratuita pelo Sistema Único de Saúde (SUS).