090717-policia-familiasantarosa-tvgazeta

Homem morre queimado dentro de delegacia

Família contesta versão de suicídio: acusado de roubar alho

Elder Batista, 35, morreu com queimaduras de terceiro grau nas dependências da delegacia de Santa Rosa do Purus. Segundo a família, ele foi preso, suspeito de roubar “uma cabeça de alho”. Batista morava na cidade junto com o filho. O restante da família mora em Rio Branco.

“Tocaram fogo nele. Bateram muito nele que ele vomitou sangue”, indigna-se Maria José Batista, mãe de Elder. “Eu quero Justiça. Meu filho era um homem bom. Quando não tinha o que comer, ele ia pescar para dar de comer ao filho dele”.

A versão repassada à família foi de que Elder teria se enrolado em um colchão e, com um isqueiro, ateado fogo no colchão. “Mas, como ele teve acesso a esse isqueiro se ele estava preso em uma cela? Como uma pessoa que se enrola em um colchão ateia fogo e o corpo só queima da cabeça à cintura?”, pergunta um dos irmãos de Elder.

O que se conhecia na cidade era que Elder tinha histórico de problemas com bebida alcoólica, mas garantia o sustento próprio e do filho com venda de pequenos produtos regionais, como pimenta.

A polícia ainda não se pronunciou formalmente sobre o caso. Uma investigação deve ser iniciada para que o episódio seja esclarecido.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*