020519-policia-redução

MP divulga redução de 27,3% no número de roubos e mortes

Rio Branco teve uma redução de 11,8%

A violência no acre é um assunto recorrente entre a população que continua com uma sensação de insegurança agravada nos últimos anos com os constantes crimes no Estado, mas em 2019 os indícios aparentam uma mudança nesse quadro.

Um levantamento realizado pelo Ministério Público por meio do seu observatório de análise criminal aponta que houve redução de 27,3% no número de roubos e mortes violentas em todo o Estado.

Esses dados pertencem aos quatro primeiros meses de 2019 e foram comparados com o mesmo período do ano passado.

O Secretário de Justiça e Segurança Pública do acre (Sejusp), Paulo Cezar, explica as ações que ele acredita ter diminuído essa violência.

“O fortalecimento do policiamento ostensivo nos locais onde a análise criminal apontava uma maior possibilidade da ocorrência de crimes com violência. Outra questão pontual foi o cumprimento de mandados de prisão de pessoas que estavam envolvidas com assassinatos em Rio Branco, isso é um trabalho conjunto da Polícia Militar e principalmente da Polícia Civil que efetua a representação através do inquérito para que esses mandados sejam possibilitados e por fim a intervenção realizada pelo IAPEN em parceria com os demais órgãos do sistema de segurança pública nos presídios do interior”, explicou Cezar.

Cada município apresentou uma diminuição específica nesses números. Conforme o Secretário, os dados do Ministério Público são semelhantes ao da própria secretaria.

Em Rio Branco houve uma redução de 11,8%. Já em Cruzeiro do Sul as mortes caíram 83% segundo este levantamento. Já no município de Capixaba que no ano passado registrou quatro mortes violentas neste período, este ano, ainda não houve notificações de crimes, além de outros seis municípios do Estado.

“A metodologia utilizada pelo Ministério Público é bem similar com a utilizada no setor de estatística da secretaria de segurança pública e efetivamente são os mesmos números”, concluiu Paulo Cezar.

 

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*