180719-policia-operacao-troia

Operação Tróia resulta na prisão de 20 pessoas

Max Araújo e Jimi Arruda foram considerados como “garotos de recado”

A Operação Tróia, da Polícia Federal (PF) em parceria com o Ministério Público (MP), resultou na prisão de pelo menos 20 pessoas acusadas de participarem de uma facção criminosa que atua no Acre, sob a acusação de extermínios, roubos, tráfico de drogas e armas.

O delegado a frente das investigações, Fares Fegali, declarou durante a coletiva de imprensa que um advogado foi preso, ele foi identificado como Max Araújo, e um bacharel em direito, o Jimi Arruda.

O delegado denominou essa dupla como os “garotos de recado”, ou seja, eles levavam e traziam informações de dentro do presídio, dos presos que estavam no em total isolamento, o chamado Regime Disciplinar Diferenciado (RDD).

No entendimento da PF, eles ajudavam nos crimes praticados pela facção, já que eram os únicos que podiam ter acesso aos presos.

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), seccional Acre, ficou sabendo do caso por meio da imprensa, mas não sabe quem são esses advogados.

O presidente da OAB/AC declarou que apoia as investigações, mas a Polícia Federal não deu mais detalhes sobre a decisão cautelar que originou essas prisões. O fato é que se houver comprovação dos envolvidos com crime eles serão suspensos e imediatamente pela entidade.

Quando tiver mais detalhes, os advogados serão encaminhados para o Tribunal de Ética e Disciplina (TED) para apurar cada conduta e definir o que será feito.

“Nós já pedimos acesso a esses procedimentos porque nós precisamos saber quem são os advogados que estão envolvidos, mas até o momento não temos acesso, não conhecemos sequer a decisão que deferiu essa busca e apreensão no escritório de advocacia. A posição da OAB, aquela que já foi externada em nota, que a OAB quer acompanhar o caso, se houver profissionais envolvidos em atividades criminosas nós vamos processar no âmbito da OAB a infração administrativa e vamos punir, a OAB não aceitará quem compactua com a criminalidade”, disse o presidente da OAB/AC, Erick Venâncio.

O presidente da entidade ainda pontuou que é preciso cautela para não generalizar o trabalho de todos os profissionais que trabalham na área criminal, por conta desses dois suspeitos.

Outro caso que chamou a atenção foi em novembro de 2017, quando o advogado Manoel Elivaldo Batista de Lima Júnior publicou um vídeo com um simulacro de uma arma, ele dizia que fazia parte de uma facção e que iria dominar Rio Branco.

Elivaldo chegou a ficar preso até fevereiro de 2018. A OAB já o suspendeu e um processo de julgamento para expulsá-lo da ordem está em andamento.

“Todos casos que chegaram com demonstração nós não temos transigido, no caso citado, eu fiz de ofício a suspensão preventiva desse advogado e encaminhei para o Tribunal de Ética e Disciplina e nós estamos aguardando que o tribunal promova o julgamento da conduta desse profissional, nós não transigiremos em nenhum caso, já fizemos inclusive esse ano processo de exclusão de advogados que transigiram seus deveres éticos”, concluiu Erick.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*