thumb pmpapainoel

Polícia Militar lança Operação Papai Noel

PM intensifica a fiscalização nas principais vias e áreas comerciais do Estado

A Polícia Militar lançou na manhã desta terça-feira, 19, a Operação Papai Noel. Uma coletiva de imprensa no Quartel do Comando Geral apresentou os números e a estratégica de policiamento no período natalino. Ações sociais incluindo a banda de música e o coral da instituição são novidades no planejamento deste ano.

A operação foi implantada pela primeira vez em 1994. Desde então, no fim do mês de novembro e durante todo o mês de dezembro, a PM intensifica a fiscalização nas principais vias e áreas comerciais do Estado. O comandante do Policiamento Operacional da Capital (CPO1), coronel Mário César, prevê mais de 200 atividades operacionais dentro da Operação Papai Noel.

“Além do policiamento ordinário, que funciona normalmente nos bairros, teremos nossa segurança fortalecida com o acréscimo de mais 210 policiais, além dos alunos soldados que devem compor as operações Boemia, Álcool Zero, Arrastão, Cidade Tranquila e Desarmamento. Nossa meta é obter a maior ocupação geográfica possível, garantindo assim o máximo de sensação de segurança à população”, explicou o coronel.

Este ano, a PM criou medidas comunitárias para serem aplicadas junto às atividades operacionais como a banda de música, que irá desenvolver projetos dentro da comunidade, um concurso de coral entre escolas de Rio Branco e atividades como a Vizinhança Solidária, incluindo também o acompanhamento detalhado dos reeducandos beneficiados com o indulto natalino.

O comerciante Jaime Negreiros relata que, no mês de dezembro, é fácil notar o reforço no policiamento: “Com certeza, em dezembro, o policiamento fica maior. É impossível não ver policiais em praticamente todas as ruas aqui do centro e, nos bairros, as viaturas parecem se multiplicar. Faço minhas compras com tranquilidade”, afirma.

Reforço

O reforço humano vem das seções administrativas da corporação, que pausa as atividades para integrar seus policiais na tropa operacional, e do esforço daqueles que já trabalham nas ruas. Eles sacrificam sua segunda folga para cumprir o serviço. “Ninguém gosta de trabalhar durante a folga, mas entendo que é uma época delicada para a segurança e que essa é uma medida necessária”, disse o soldado Jean Messias.

De acordo com os números divulgados pelo setor de análises estatísticas do CPO1, em 2013 a operação efetuou 770 prisões, recuperou 25 veículos – entre carros e motos –, capturou três fugitivos, cumpriu 56 mandatos de prisão, apreendeu 33 armas de fogo e 62 armas brancas e apreendeu, aproximadamente, dez quilos de drogas.

Deixe uma resposta