Vereadora de Feijó é presa durante operação contra estelionato e furto

Justiça determinou o sequestro de 251 animais bovinos das propriedades da filha e do marido da investigada

Na manhã desta segunda-feira, 8, a Polícia Civil em ação conjunto com o Ministério Público do Acre MP/AC por meio da Promotoria Criminal de Feijó, resultou no cumprimento do mandado de prisão de A. da S. P, 51 anos de idade.

Além da prisão da investigada, a justiça determinou o sequestro de 251 animais bovinos das propriedades da filha e do marido da investigada.

A mulher é investigada pelo cometimento dos crimes de estelionato e furto mediante fraude, praticados contra indivíduos integrantes dos grupos vulneráveis de trabalhadores rurais, indígenas e idosos, geralmente pessoas analfabetas, o que facilitaria as ações delitivas de A. da S. P.

Foto: cedida

No dia 28 de junho de 2021, A. da S. P. foi presa em flagrante, juntamente com sua filha e seu esposo, pela Polícia Federal, por ter cometido os crimes de estelionato e apropriação indébita e, durante a audiência de custódia, na sede da Primeira Vara Federal de Cruzeiro do Sul, todos foram liberados sob pagamento de fiança e com cautelares judiciais consistente em não poderem ter contato com indivíduos dos grupos indígenas e de trabalhadores rurais.

De acordo com as investigações da Polícia Civil, a investigada continuou praticando os crimes sem qualquer receio de ser presa. “A agente agia de forma articulada, permanente e coordenada com seus parentes, fazendo novas vítimas a todo momento, se prevalecendo da vulnerabilidade dos povos indígenas e rurais, os quais, geralmente não sabem sequer contar dinheiro”, destaca Railson Ferreira, Delegado de Polícia.

A investigação demorou mais de ano e estar alicerçada por provas que demonstram que a agente continuou aplicando golpes em novas vítimas, a exemplo de transferências bancárias, financiamentos e empréstimos bancários, chegando a casa de centenas de milhares de prejuízo às vitimas.

A presa foi conduzida a delegacia e colocada à disposição da justiça.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*