120717-politica-juizegeneral-arquivo

Áudio mostra discussão entre general do Exército e juiz

Militar impediu atuação baseado em decreto presidencial

O áudio a que o site AGazeta.Net e a TV Gazeta tiveram acesso mostra a discussão entre o juiz da vara de Execuções Penais de Cruzeiro do Sul, Hugo Torquato e o general do Exército José Eduardo Leal de Oliveira.

O problema todo ocorreu porque o general coordena uma intervenção no presídio Manoel Néri da Silva, em Cruzeiro do Sul. Homens da 17ª Brigada de Infantaria de Selva fazem uma revista em busca de drogas, telefones e armas.

O juiz da vara de Execuções Penais é a figura do Judiciário que garante a aplicação da lei na unidade prisional. Ele é o elemento correicional. Representa o Judiciário na operação. Mas, o entendimento do general José Eduardo Leal de Oliveira é outro.

Ele argumenta a operação é de Garantia da Lei e da Ordem. No jargão militar, conhecida pela sigla G.L.O. Amparado por um decreto assinado pelo presidente Temer no início deste ano, o general entende que a presença do juiz é inadequada e desnecessária.

O juiz diz que foi impedido de atuar e foi desrespeitado. O general não recuou.

A Associação dos Magistrados do Acre (Asmac) ainda não se pronunciou sobre o assunto.

Transcrição de parte do diálogo entre o juiz da vara de Execuções Penais de Cruzeiro do Sul, Hugo Torquato, o general do Exército José Eduardo Leal de Oliveira e o procurador do Ministério Público Militar, José Luiz.

Juiz Hugo Torquato: General, o que está havendo? Eu fui abordado por um de seus homens aí e praticamente foi me conduzindo de uma forma desrespeitosa. O que está acontecendo?

General José Eduardo Leal de Oliveira: Eu expliquei ao senhor que essa é uma atividade federal.

Juiz: Entendi.

General: Uma operação de G.L.O [Operação de Garantia da Lei e da Ordem] aonde eu tenho que zelar pela tropa que está aqui dentro.

Juiz: Entendi.

General: O senhor solicitou a mim para acompanhar.

Juiz: Sim.

General: eu disse que não poderia. Que eu não poderia atender a sua demanda.

Juiz: Sim. Entendi. A minha demanda é uma demanda do Poder Judiciário. Eu sou juiz de Direito. Eu sou o correcional desse presídio.

General: O senhor se dirigiu para o local da operação e esteve lá. Com ordem de quem?

Juiz: Com ordem de ninguém. Eu sou juiz.

General: Essa operação não tem nada a ver com Lei de Execução Penal. Entendo que o senhor está afastado dessas atividades…

Juiz: Eu estou afastado da jurisdição?

General: Sim.

Juiz: Estamos em Estado de Sítio?

Procurador do Ministério Público Militar, José Luiz: Sim. Sabe por quê? Porque está em G.L.O [Garantia da Lei e da Ordem]. Porque está … vamos dizer assim… eu não vou entrar em filigranas jurídicas… sob intervenção federal. Mas, há uma intervenção militar aqui.

{youtube}Sg2N_mnECCA&feature=youtu.be{/youtube}

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*