010218-politica-coopeserge-tvgazeta

Cooperativas reclamam de atraso por parte do poder público

Déficit de mais de R$ 1,5 milhão aos 500 cooperados

Terceirizados prometem cruzar os braços caso o governo não pague salários atrasados. Uma das maiores cooperativas do estado teve que desembolsar um mês de salário para amenizar a situação.

A Cooperativa de trabalho autônomo em serviços gerais (Coopserge) está com um déficit na folha de pagamento de mais de R$ 1,5 milhão. O valor é correspondente ao salário de 500 cooperados que prestam serviço ao governo do estado em serviços de limpeza e portaria. De acordo com o superintendente, a cooperativa não recebe há três meses os repasses e a categoria pretende cruzar os braços caso o problema não seja resolvido.

“Se o estado não cumprir, até sexta-feira o dinheiro não estiver na conta dos cooperados, nós iremos paralisar nossas atividades e na segunda-feira pela manhã estaremos em frente a casa civil fazendo uma grande manifestação para que o cooperado tenha o direito de receber sua remuneração”, afirmou.

O prejuízo só não é maior aos terceirizados por que a Coopserg assumiu o pagamento do mês de novembro, quando o governo parou de repassar os salários. Para que os trabalhadores não ficassem sem dinheiro no Natal a cooperativa desembolsou mais de R$ 500 mil.

A justificativa do governo aos atrasos, segundo o superintendente da Coopserg é a crise econômica. Ainda nesta quarta-feira os cooperados ouviram uma nova promessa.

“Hoje recebemos a notícia através da chefe da casa civil Márcia Regina que amanhã estão depositando os meses de novembro e dezembro dos nossos trabalhadores em atraso há mais de 90 dias sem receber”, afirmou o superintendente.

O pagamento que segundo o governo será efetuado nesta semana equivale a dois meses de atraso. O mês de janeiro ficará pendente, com posição de pagamento para 10 de fevereiro.

A assessoria de comunicação do estado informou que “a questão financeira com as empresas foi sanada nesta quarta-feira”. De acordo com a assessoria, os pagamentos agora dependem das cooperativas e empresas que devem organizar os repasses no decorrer da semana.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*