CRM e MP apontam irregularidades nas unidades de saúde em Tarauacá

Falta de médicos provoca sobrecarga nos funcionários dos hospitais

O Conselho Regional de Medicina do Acre (CRM-AC) vistoriou nessa sexta-feira (27) o Hospital Dr. Sansão Gomes, de Tarauacá, no interior do Acre e a maternidade da cidade. A ação foi realizada pelo conselheiro Marcos Roberto Lima, acompanhado do promotor de Justiça do Ministério Público do Acre (MPAC) no município, Júlio César de Medeiros.

No hospital foi constatado que faltam médicos e, com isso, os profissionais que atuam na unidade estão sobrecarregados. A equipe de vistoria foi acompanhada pela gerente geral da unidade de saúde, Laura Elisa Pontes Soares.

Outro ponto observado pela equipe de fiscalização foi a ausência de regulação do fluxo entre a atenção básica, no caso as unidades de saúde municipais, e o hospital e isso poderia acabar afetando no atendimento do hospital.

“A quantidade de médicos no hospital não é suficiente para atender à demanda. Conversamos com os profissionais de lá e todos estão sobrecarregados. A gerência informou que especialistas como cirurgião e ortopedista estão indo até o hospital uma vez por mês para fazer procedimentos eletivos. No entanto, nos outros dias, a cidade fica sem esses atendimentos. No caso da ortopedia, é apenas para consulta, ou seja, os pacientes que precisam fazer algum procedimento cirúrgico são encaminhados para Cruzeiro do Sul”, afirmou o conselheiro do CRM, Marcos Roberto.

Já no local onde funciona a maternidade da cidade, a equipe de fiscalização detectou uma série de problemas na estrutura física, além da falta de especialistas como anestesista e pediatra. Ainda segundo o conselheiro, o prédio é adaptado e está em condições precárias para funcionamento.

“Esse espaço que funciona como maternidade está com estrutura bastante comprometida. Fica só um médico para atender às intercorrências e esse mesmo médico opera e faz a anestesia, quando tem necessidade.”, acrescentou Lima.

Um relatório com as constatações e recomendações deve ser elaborado pelo CRM e encaminhado à Secretaria Estadual de Saúde (Sesacre) e ao MPAC para as devidas providências.

“Essa inspeção no Hospital com o CRM é de extrema importância para identificarmos todas as insuficiências da parte de recursos humanos e de estrutura física, a fim de melhorar o atendimento à saúde da população, sem descurar do importante papel da Atenção Básica”, disse o promotor de Justiça de Tarauacá, Júlio César de Medeiros.

A Secretaria Estadual de Saúde foi procurada para se manifestar sobre o assunto, mas até o fechamento desta matéria não houve nenhum pronunciamento. Esse espaço continua aberto para futuros anúncios da Sesacre.

Deixe uma resposta