SEGOIA

Denilson Segóvia defende base aliada acusada de rebeldia

Para o deputado, o momento é de unir forças e buscar soluções

O deputado estadual e pastor presidente da igreja Quadrangular, Denílson Segóvia (PEN), defendeu na sessão desta terça-feira os colegas dele da base de sustentação do governador Tião Viana (PT), flagrados se posicionando favorável a algumas reivindicações feitas pela população, que se chocam com o governo. Para ele, o momento é de unir forças e buscar soluções para alguns problemas existentes na gestão pública.
 
Segóvia usou o trecho do livro de Provérbios que afirma que “é preciso está ao lado do rei nas grandes mudanças e não se aliar aqueles que desejam mudança para se beneficiar”, para lamentar a forma como alguns parlamentares estão sendo tratados, ao serem chamados de “mascarados” e até acusados de não apoiar o governador Tião Viana.
 
“Nós queremos melhorar a vida do nosso povo e chamar atenção para os vácuos que existem dentro dos nosso governo. Temos a liberdade de dizer não, da mesma forma que muitos secretários nos dizem não as vezes”, afirmou.
 
Denílson Segóvia lembrou ainda que mesmo se posicionando favorável a algumas reivindicações feitas por vários segmentos da sociedade, os parlamentares não estão adotando uma postura contra o governo do Estado, mas sim, continuando fiel ao projeto e buscando sempre melhores condições de vida para a população acreana.
 
“Nós somos leais sim. Somos protetores e escudeiros do nosso governador. Mas estamos atravessando um momento muito importante. Nossa postura é de sustentar e apoiar as grandes obras do governo. Continuamos 100% aliados ao governo e quando tomamos um postura, de querer discutir alguns temas, somos chamados de mascarados”, lamentou.
 
O parlamentar lembrou ainda que o momento é da base do governo mostrar força e unidade, discutindo os problemas e buscando soluções. “Devemos está prontos para dialogar. Estamos ao lado da verdade. Entendendo que é um momento de fortalecimento através do diálogo, buscando melhorias para nosso povo”, afirmou.

Deixe uma resposta