261218-politica-lardosvicentinos-tvgazeta

Deputado paulista garante manutenção do Lar dos Vicentinos

R$ 285 mil para alimentos, material de higiene e limpeza

Graças a uma emenda parlamentar de um deputado federal de São Paulo, o Lar dos Vicentinos, única entidade que abriga idosos em Rio Branco, vai poder respirar com as contas. Na manhã dessa quarta-feira, a Prefeitura de Rio Branco preparou até um café da manhã para os idosos e funcionários do abrigo para anunciar que serão repassados aos cofres da entidade R$ 285 mil. O dinheiro, obrigatoriamente, deve ser destinado à compra de material de higiene, limpeza do prédio e alimentos.

O Lar dos Vicentinos abriga atualmente 56 idosos. A entidade vive de doações e a aposentadoria dos próprios internos, que repassam 70% do benefício para o Lar dos Vicentinos. Mas o dinheiro que entra ainda é pouco para manter a casa.

A maioria dos idosos abrigados foi abandonada pela família. Muitos vivem acamados como o Máximo Morais, de 102 anos, que não enxerga mais. Ele precisa de ajuda para caminhar e necessita todo momento de pessoas para fazer sua higiene.

Segundo Claudio Roberto, presidente do conselho do Lar dos Vicentinos, sem dinheiro, o abrigo passa por dificuldades para comprar material de limpeza, remédios, consertos na estrutura antiga da casa e salários dos profissionais.

“Esse recurso que chegou agora vai permitir a compra de itens como fralda descartável que tem um grande consumo, e que, muitas vezes, não se tinha como comprar”, falou.

A emenda parlamentar que possibilitou a vinda dos R$ 285 mil para Lar dos Vicentinos é do deputado federal de São Paulo Gilberto Nascimento, presidente da Comissão de Defesa dos Direitos dos Idosos. O recurso caiu na conta da prefeitura que deve repassar ao Lar dos Vicentinos e, ao final de dois anos, quando tiver gasto todo o dinheiro, a direção dos Vicentinos vai ter que prestar contas à prefeitura. Se não fizer, fica impedido de receber dinheiro de convênios.

Por muitos anos, a entidade deixou de receber recursos porque os diretores passados não prestavam contas do dinheiro que recebiam.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*