thumb asterioGE

“Dizer que a Aleac é submissa não passa de jogo de cena da oposição”, diz Astério

Deputado confirma pretensão do PEN em indicar o vice de Tião

“Dizer que a Assembleia Legislativa é submissa ao Palácio Rio Branco não passa de jogo de cena da oposição”. Foi com essa frase que o deputado Astério Moreira (PEN) e líder do governo na Aleac defendeu a autonomia do Parlamento acreano, durante conversa com o jornalista Rogério Wenceslau, no programa Gazeta Entrevista desta quinta-feira, 14.

De acordo com o deputado, todas as matérias que vão ao Parlamento são de extremo interesse da sociedade. Astério revelou que a base de sustentação do governo, em muitos projetos, solicita técnicos do Executivo para prestarem esclarecimentos quanto ao objeto, “o que mostra o grau de responsabilidade dos deputados da situação”.  

Sobre as críticas de deputados da oposição quanto à aprovação ‘fácil’ dos projetos oriundos do Executivo, Astério disse tomá-las como um fato normal. “Todo governo tem que ter uma base forte para executar suas ações. “Como exemplo, temos São Paulo, com o PSDB, e o Rio de Janeiro, com o PMDB. Isso é muito normal numa democracia.

PEN- Indagado sobre a pretensão de seu partido brigar para indicar o vice-governador da chapa da Frente Popular, Astério confirmou a proposição, mas deixou claro que jamais o PEN tomará qualquer medida que venha desestabilizar a coligação.

Ainda sobre o assunto, Astério foi mais além e revelou que já foi ventilado, dentro do partido, também a indicação do suplente de senador, em uma chapa com a pré-candidata ao Senado Perpétua Almeida.

Frente Popular – Quanto às possibilidades da Frente Popular para 2014, Astério alfinetou a oposição: “Pela unidade da Frente Popular e pela divisão da oposição, podemos fazer até seis deputados federais”.

Sobre seu futuro político, a partir de uma declaração de que não concorreria à reeleição, Astério mencionou diversos manifestos contra sua ‘aposentadoria’, sem confirmar se vai parar ou continuar, mas sinalizou sobre a possibilidade de concorrer à Câmara Federal.

Deixe uma resposta