0610-politica-aleac-cleriston

Governo aumenta gastos com reforma administrativa

Criação de 1,1 mil cargos e duas secretarias

Politicamente, o ano eleitoral de 2018 para o governador Tião Viana já começou. O Projeto de Lei Complementar Nº 19, no artigo 38, propõe que a Aleac compactue com o aumento nos gastos do Poder Executivo com a criação de 1,1 mil cargos comissionados.

Além desses 1,1 mil cargos comissionados, o Governo do Acre também pede que os deputados aprovem a possibilidade de criação de duas secretarias de Estado “em caráter especial de natureza extraordinária”.

Na prática, isso significa, em português bem simples: “possibilidade de barganhar politicamente”. Com a possibilidade de criar mais duas secretarias, o governador do Estado tem mais dois trunfos para negociar com aliados na tentativa de fazer o sucessor em 2018.

Caso a Aleac pactue com isso, estará autorizando o Governo do Acre a remunerar da seguinte forma os aliados do Palácio Rio Branco:

Cargos em Comissão e Cargos em Comissão Intermediário (Anexo 1)

Cargo                                      Remuneração

CEC 1                                      R$ 1.300,00
CEC 2                                      R$ 2.016,00
CEC 3                                      R$ 2.688,00
CEC 4                                      R$ 3.864,00
CEC 5                                      R$ 5.376,00
CEC 6                                      R$ 6.720,00

CEC 7                                      R$ 7.720,00

CCI                                             R$ 900,00

Funções Gratificadas (Anexo 8)

FC-1                                            R$ 120,00
FC-2                                            R$ 240,00
FC-3                                            R$ 360,00
FC-4                                            R$ 480,00
FC-5                                            R$ 600,00
FC-6                                            R$ 720,00
FC-7                                            R$ 840,00
FC-8                                            R$ 960,00
FC-9                                            R$ 1.080,00
FC-10                                          R$ 1.200,00

Artigo 2 fala em “sustentabilidade econômica”

No artigo 2 do Projeto de Lei Complementar 19, está escrito que um dos fundamentos que orienta a gestão pública do Acre é a “sustentabilidade econômica”. A assessoria do Governo do Acre foi acionada para explicar de que forma essa “sustentabilidade” pode guardar relação com o ambiente de crise sistêmica porque passa o país.

Em estados onde há capital instalado, com indústrias e comércio muito mais fortes que o Acre (mesmo em uma análise proporcional), o cenário é de corte de despesas. Não há cenário para aumento da máquina administrativa.

O Projeto de Lei Complementar 19 ainda não havia sido aprovado pelos deputados até às 17h30min desta terça-feira.

Argumento do Governo é de que “não há alteração”

Para o Governo do Acre, o argumento de defesa é bem simples: o atual Projeto de Lei Complementar apenas normatiza o projeto de lei anterior que já permitiu a criação de 940 cargos. Então, na prática, o governo estaria criando apenas 160, na calculadora do Palácio Rio Branco. “Não há variação nem no valor de cada CEC e nem na quantidade”, afirmou o líder do Governo na Aleac, Daniel Zen, em declaração à TV Gazeta.

A assessoria do Governo do Estado informou que não vai se pronunciar por nota sobre o assunto. Pontuou apenas que “o Estado do Acre é um dos que possui o menor número de cargos comisisonados do Brasil e, além disso, 20% dos cargos comisisonados são servidores efetivos”.

Deixe uma resposta