260617-politica-coletivatiaoviana-agenciadenoticiasdoacre

Governo quer zerar cirurgias em hospitais públicos

Foco é atacar entraves burocráticos

O Governo do Acre quer zerar as filas de cirurgias. Para isso, calculou investimento de R$ 5 milhões para atender à demanda reprimida. O anúncio dessa intenção do poder público foi feito pelo governador Tião Viana em entrevista coletiva realizada na manhã desta segunda-feira (26) na Casa Rosada.

O foco é atacar os entraves burocráticos. Foi o que aconteceu com a funcionária pública Maria da Conceição chegou ao hospital das clínicas às cinco horas da manhã para marcar um exame. Devido à enorme fila, ela só conseguiu pegar uma senha mais de 3 horas depois.

Já era quase 10 da manhã e nada de atendimento. Mas, Maria acredita que a maior espera mesmo vai ser para conseguir realizar a cirurgia no ombro que ela foi agendar. A informação repassada para a paciente é que este tipo de procedimento na rede pública de saúde demora, no mínimo, três anos.

O caso de Maria é apenas mais um entre milhares de pacientes que estão na fila de espera. Para mudar esse quadro, o Governo do Estado anunciou, durante coletiva de imprensa, nesta segunda-feira (26), que pretende enfrentar a demanda reprimida de pacientes que precisam de cirurgia, mas esbarram, principalmente, nas questões burocráticas.

A partir de agora, um grupo vai regular e monitorar uma fila única, com rigoroso critério de fiscalização, segundo a promessa do Governo. Cada médico cirurgião terá que cumprir uma meta. Depois disso, o profissional vai trabalhar em um mutirão de cirurgia, recebendo hora extra por esse serviço.

O Acre realiza 17 mil cirurgias por ano, 12 mil diretas e mais 5 mil partos, aproximadamente, assim, a média é de mais de mil por mês. Mas, o número na fila de espera é praticamente do mesmo tamanho.

Por isso, esse grupo vai utilizar critérios técnicos e sociais para que o paciente seja escolhido. O grupo é formado por cardiologista, especialista em clínica médica, infectologista, intensivista e neurologista.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*