thumb eliane

Radar: “identificamos pontos desnecessários”, diz Sinhasique

Segundo vereadora, oposição já possui plano de governo

Eleita como a vereadora mais votada em 2012, Eliane Sinhasique(PMDB) participou, durante dois blocos, do programa ‘Gazeta Entrevista’, na noite da última quarta-feira, 30. Na conversa com o jornalista Alan Rick, a parlamentar comentou sobre o mandato e também respondeu às perguntas dos telespectadores.

Sinhasique falou da polêmica prova aplicada em uma escola estadual de Rio Branco. Em uma das questões uma personagem infantil menciona palavrão. A vereadora encaminhou ofício à secretaria de educação com pedido de explicação. “É inadmissível uma escola utilizar palavras chulas. Espero que isso não se repita e também serve de alerta para os pais participarem mais da vida escolar dos filhos”, argumentou.

A vereadora é a favor da criação do serviço municipal de engenharia pública, para Sinhasique “o pobre tem dinheiro para construir a casa, mas não tem condição de pagar um projeto de arquitetura e engenharia.”

Sobre mobilidade urbana, Eliane cobrou a entrega do terminal de integração da Baixada da Sobral, segundo a parlamentar as obras estão atrasadas. Ela também citou a falta de infraestrutura nos bairros mais distantes do centro da cidade.

“Rio Branco, nas periferias, não tem ruas”, enfatizou. Perguntada sobre a CPI dos radares, Sinhasique informou que o relatório final está prestes a ser concluído. “Identificamos alguns pontos que não são necessários os equipamentos. Como, por exemplo, nos semáforos”, disse.

Uma das parlamentares mais atuantes da legislatura municipal, Eliane Sinhasique contou estar à disposição do partido para pleitear algum cargo nas eleições do próximo ano. Vereadora de primeira viagem, ela relatou que tem se identificado com a política.

No mandato há dez meses, a ‘pequena notável’ já apresentou 258 indicações e encaminhou 100 ofícios aos órgãos públicos. Sinhasique encerrou a entrevista contrariando os argumentos que a oposição não possui projetos para governar o estado. “Existe um plano, mas não é hora de apresentar para não ser copiado. No momento certo, vamos apresentar a população”, finalizou.

Deixe uma resposta