271217-politica-eletrobras-tvgazeta

Impasse no processo de venda do sistema Eletrobras

Concessionária do Acre pouco atrativa para setor privado

Sem conseguir atrair compradores, acionistas do sistema Eletrobras se reúnem em Brasília, nessa quinta-feira (28), para deliberar sobre proposta do BNDES, que quer entregar as estatais por um valor simbólico de R$ 50 mil e repassar às empresas para que os novos donos assumam as dívidas e façam investimentos.

No caso da Eletroacre, a empresa fechou com as contas no vermelho nos últimos anos. Em boa parte dos municípios do Acre, a energia ainda é a produzida com motores o que deixa a energia mais cara. Os programas sociais como “Luz para todos” que chega a área rural e “Tarifa Social” para as camadas mais pobres deixam a Eletroacre pouco atrativa para os compradores.

O sistema Eletrobras vem enfrentando problemas nas vendas das seis distribuidoras do grupo, entre elas a Eletroacre. Os resultados financeiros são ruins e em alguns casos existem denúncias de desvio de recursos.

A previsão era privatizar até o final de 2018, mas está difícil encontrar interessados.

O governo agora tenta uma nova estratégia, o BNDES lançou uma proposta: entregar cada empresa por um valor simbólico de R$ 50 mil e os compradores assumem os passivos e ficam obrigados de fazer investimentos.

Para os sindicatos dos trabalhadores do setor elétrico, o governo quer se livrar das empresas e não se preocupa com os prejuízos que podem acarretar tais decisões.

O sindicalista Marcelo Jucá informou que os sindicatos dos trabalhadores de todo país estão se dirigindo a Brasília para fazer pressão. “O grande problema é que os parlamentares do Acre não estão se importando com o tema. Estão vendo tudo com muita neutralidade, e não conseguem enxergar o prejuízo que será para o consumidor”, reclamou.

O governador Tião Viana falou sobre o assunto e disse que vê com preocupação a venda das estatais, e espera que ao serem negociadas, que os consumidores consigam ao menos ficar três anos sem reajuste na tarifa.

 

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*