Banner LabMPE

Laboratório do MPE servirá para descobrir crimes eleitorais

Detectar “lavagem de dinheiro” é o principal objetivo do parquet

O Ministério Público Estadual inaugurou nesta sexta-feira, 14, em Rio Branco, a nova arma que vai usar contra a lavagem de dinheiro no Acre.
 
Trata-se de um laboratório de tecnologia avançada, que vai usar supercomputadores, que são capazes de ter acesso direto a contas bancárias, dados fiscais, telefônicos e até redes de relacionamento.
 
Com o tráfico de drogas sempre atuante, os traficantes precisam buscar formas de colocar o dinheiro no mercado como se fossem operações comerciais comuns. Para isso, usam empresas de fachadas e vendas que não existem.
 
Outro dinheiro que precisa ser “lavado” é o da corrupção. Recursos desviados de obras públicas são usados livremente no mercado, e, são esses crimes, que o Ministério Público também vai checar. Há, ainda, a sonegação fiscal, que passa a ser mais fiscalizada.
 
O primeiro teste do supercomputador e dos técnicos, será a eleição deste ano. Segundo o procurador-geral, Oswaldo D´Albuquerque, se o Ministério Público Eleitoral requisitar os serviços, o laboratório pode identificar como e de onde vem o dinheiro usado em campanhas.
 
Ainda segundo o procurador, geralmente os acusados de crimes eleitorais escapam por causa da fragilidade das provas, com o laboratório, no qual os técnicos vão atuar em conjunto com o grupo de combate ao crime organizado, vai ficar mais fácil identificar como são patrocinadas as campanhas.
 
Com as investigações, os promotores podem chegar também àquelas pessoas que, no tráfico de drogas, nunca pegam nos produtos, apenas financiam “mulas” ou traficantes menores para o transporte do entorpecente. Quando essa droga é apreendida ele não sofre nada.

Deixe uma resposta