030217-politica-cruzeirodosul-cedida

Ministro da Integração deixa R$ 4 milhões de ajuda

Prefeito pleiteia pedir mais recursos para recuperação

O Ministro da Integração Elder Barbalho, que esteve nesta sexta-feira (3) no Acre acompanhando a situação das cidades atingidas pela cheia no Juruá, anunciou a liberação de R$ 4 milhões ao município de Cruzeiro do Sul.

Ainda hoje, o decreto de Situação de Emergência foi reconhecido pela Defesa Civil Nacional e publicado no Diário Oficial da União.

Durante a visita do ministro ao município de Cruzeiro do Sul, que vive hoje a maior enchente já registrada desde 1970, a cidade terá o repasse de R$ 4 milhões.
“Já disponibilizamos um montante de recursos de ações emergenciais que se aproxima a 4 milhões de reais para atender com cestas básicas, kits de higiene, colchonetes, neste momento de sofrimento para minimizar esta dor. É uma forma de amenizar as dificuldades, e passaremos de agora em diante a garantir a recuperação das áreas atingidas”.

O ministro pediu ainda que os prefeitos de cidades atingidas sejam ágeis em pedir ajuda ao Governo Federal.

“Nós já orientamos as prefeituras, tanto de Rodrigues Alves, de Tarauacá, e outros municípios do estado, que possam apresentar os seus decretos municipais de emergência e imediatamente alimentar o sistema nacional para que possamos fazer a homologação e, a partir daí, também estas outras cidades atingidas possam estar aptas a receber apoio”, disse o ministro.

O prefeito de Cruzeiro do Sul, Ilderlei Cordeiro, afirmou que ainda deverá pedir repasses que devem ser investidos na recuperação as áreas afetadas no município.
“Nós fizemos esse pedido de emergência, fora a recuperação que estamos trabalhando também a documentação para pedir o apoio ao Ministério da Integração”, adiantou o prefeito.

O governador do estado, Tião Viana, que também acompanha de perto a situação, declarou que o momento requer união, “isso gera uma possibilidade de respeito e dignidade das pessoas, que vão precisar muito agora, na baixa do rio e depois da baixa do rio, porque os prejuizos são muito grandes.”

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*