180816-politica-mpffachada-assessoriampf

MPF quer saber avaliação da comunidade sobre instituição

Consulta é “para ouvir a sociedade”: até dia 15 de janeiro

O Ministério Público Federal no Acre (MPF/AC) realiza até o dia 15 de janeiro, em sua página na internet, consulta pública virtual com o objetivo de obter opiniões e contribuições para aperfeiçoar a sua atuação e ouvir a sociedade sobre demandas ou formas de atuar que possam colaborar com a prestação dos serviços públicos do órgão.

Por meio do preenchimento do formulário disponível na página do MPF/AC na internet, os cidadãos, representantes da sociedade civil, de entidades públicas e privadas e de organizações não-governamentais poderão se manifestar e contribuir com sugestões e/ou críticas relacionadas à estrutura física, acessibilidade, atendimento ao cidadão (presencial ou eletrônico), atuação institucional, transparência e proximidade com os cidadãos, dentre outros assuntos.

Quem não tem acesso à internet também pode se manifestar pessoalmente no órgão. O atendimento ocorrerá até o dia 19 de dezembro de 2016 e, em 2017, após o dia 9 de janeiro, no horário de 9h às 17h. Em Rio Branco a sede do órgão fica na Alameda Ministro Miguel Ferrante, 340, no Portal da Amazônia (3214-1400). Em Cruzeiro do Sul a unidade do MPF está situada na Cidade da Justiça no bairro Boca da Alemanha.

Durante a consulta pública o cidadão pode apontar mudanças, sugerir ações e destacar medidas que considere relevantes para a melhoria da atuação dos membros e da própria instituição. As sugestões serão analisadas por servidores e procuradores da República para verificar a possibilidade de implementação.

Entre as áreas de atuação do MPF estão: a cidadania, o acompanhamento de políticas públicas, o cumprimento das leis, o combate à corrupção e ao crime organizado, os direitos do consumidor e a defesa da ordem econômica, a proteção ao meio ambiente, a defesa dos patrimônios cultural, público e social, e a garantia dos direitos das populações indígenas, de comunidades tradicionais e de outras minorias.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*