Pais de crianças autistas reclamam com o MPAC por falta de assistência

As secretarias de educação estadual e municipal deverão atender medidas de inclusão

Na manhã de segunda-feira,16, o Ministério Público do Acre (MPAC), recebeu pais de alunos com autismo que reclamam a falta de assistência social e técnica nas escolas da rede municipal e estadual de Rio Branco. As reclamações são com base na falta de profissionais nas salas de aula para acompanhar o desenvolvimento escolar dos alunos, mantendo muitos fora da rotina de escolaridade.

O MPAC entende a importância da pauta e levará como prioridade o assunto junto com os pais e mães das crianças. “O ministério é muito sensível sobre a pauta, estamos trabalhando com eventos e dando visibilidade à pauta. Tenho me reunido também com atores políticos, secretaria de estado de educação e secretarias municipais, tenho feito esse diálogo institucional. E estou prometendo que a partir de agora teremos um grupo de promotores que irão atuar dedicadamente a esta causa”, explica o procurador geral de justiça, Danilo Lovisaro.

O vice-presidente da comissão de educação da assembleia, Daniel Zen, explica que as políticas públicas voltadas para essas pautas precisam ser intensificadas. “O governo precisa intensificar o atendimento, contratação de profissionais seja em mediadores ou assistente pessoais na educação e em diversas áreas de saúde. Hoje a quantidade de demanda é gigante, pais destas crianças passam meses na fila aguardando uma consulta ou uma sessão de terapia. O que a assembleia pode fazer é mediar de forma que todos possam ser atendidos em seus direitos.”

Uma comissão deve ser criada para melhorar a maneira como é mediada a forma de atendimento para essas famílias, explica Ricardo Gomes, promotor de educação do MPAC. “Tendo em mente essas manifestações, nós vamos incrementar essas ações que já existiam e vamos intensificar a fiscalização. Vamos também nos reunir com as secretarias municipais e estaduais de educação para que a gente possa achar um caminho de atender esses direitos”.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*