230817-politica-parceria-vacina-hpv

Parceria entre saúde e educação visa aumentar vacinações

Procura por vacina contra HPV ainda é baixa no estado

Em coletiva de imprensa nesta terça-feira (22), o governo do Estado anunciou parceria entre saúde e educação, para melhorar o índice de cobertura vacinal contra o HPV. A vacina que previne contra o surgimento do câncer do colo do útero tem baixa procura em todas as campanhas, e agora, a novidade será a participação das escolas no convencimento das famílias.

A vacina contra o HPV contribui para redução da incidência do câncer de colo de útero e vulva nas mulheres e também previne câncer de pênis, ânus, verrugas genitais, boca e orofaringe. Por isso, o Ministério da saúde ampliou a vacinação que antes era para meninas de 9 a 14 anos, agora também para meninos de 11 a 14 anos. Mas ampliar a oferta não é o suficiente. É preciso que a família se conscientize da importância da imunização.

“O que é importante a gente saber, a vacina é o melhor método de prevenção para todas aquelas doenças que ela pode cobrir. Se nós conseguirmos uma cobertura de 80%, a gente elimina o câncer do colo do útero. As famílias não vão sofrer mais por ter algum de seus membros falecendo por causa de um câncer prevenível”, alerta o ginecologista Júlio Eduardo.

Em coletiva de imprensa, o governo do estado anunciou que a campanha contra o HPV será em parceria com as escolas. As unidades do ensino fundamental serão mapeadas, em seguida os estudantes vão levar pra casa declarações para que os pais assinem autorizando a aplicação das doses.

“A gente tem que fazer com que as crianças têm oportunidade de receber os devidos cuidados pra preventivamente não contrair doenças na fase adulta”, comentou o secretário de educação, Marcos Brandão.

Em 2016, a cobertura vacinal do HPV em Rio Branco foi de apenas 20%, motivo de preocupação para os gestores de saúde que esperam na parceria com a educação, elevar o índice.

“O que a gente tem procurado sensibilizar com ajuda do governo do estado e profissionais médicos é pra garantir que essas crianças serão imunizadas e terão uma qualidade de vida melhor, prevenindo do câncer do colo do útero no caso das meninas e no caso dos meninos o câncer de pênis”, disse o secretário municipal de saúde, Oteniel Almeida.

A parceria entre educação e saúde será levada a todos os municípios do estado. Enfermeiros e técnicos vão atuar nas escolas, com salas de vacina itinerantes.

Os meninos e as meninas devem tomar 2 doses da vacina. Após a primeira, esperam 6 meses pra receber a segunda.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*