Banner-Santiago-e-Gilberto

Presidente da Aleac volta a protagonizar troca de farpas com deputado

Desta vez, Elson Santiago se desentendeu com Gilberto Diniz

O presidente da Aleac (Assembleia Legislativa do Acre), Élson Santiago (PEN), protagonizou mais uma vez nesta terça-feira uma troca de farpas no plenário. Depois de se desentender duas vezes com o líder do PSDB, Wherles Rocha, o desafeto desta vez foi Gilberto Diniz (PTdoB).

Com os dedos em riste, palavras de baixo calão e acusações, Santiago e Diniz por muito pouco não partiram para agressões físicas. “Babaca” e “moleque” foram algumas das palavras proferidas e ouvidas pela Galeria do Povo ocupada por professores que realizavam manifestação.

A discussão começou após Gilberto Diniz ter acusado a Mesa Diretora de ter permitido que a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) que acaba com o pagamento de aposentadoria para ex-governadores fosse enviada para a gaveta por prescrição.

Outra PEC que segundo ele também perambula pela Casa é que obriga o governo a pagar as chamadas emendas parlamentares, de autoria de Luiz Tchê (PDT).

Diniz acusou Santiago de estar a serviço dos interesses do Palácio Rio Branco, contribuindo para tirar do Parlamento suas atribuições constitucionais. “Nesta Casa só se vota com agilidade as matérias de interesse do governo, quando se trata de algo que não interessa aos donos do Executivo simplesmente vira pizza”, declarou ele.

Furioso com as declarações, Santiago disse que o deputado “não era homem” por ter saído do plenário quando ia dar a resposta. A partir daí começou o bate-boca, incluindo ameaça pelo presidente de expulsar Diniz das dependências do plenário. Foi preciso a intervenção dos demais parlamentares e dos seguranças.

Élson Santiago negou que a Mesa tenha atuado para soterrar a PEC, afirmando que todas as etapas previstas no Regimento Interno foram cumpridas.

Após o tumulto, Gilberto Diniz saiu do plenário e foi receber o apoio de professores que se manifestavam contra a aprovação do PCCR a ser votado na Aleac, e também pediam o fim da aposentadoria de ex-governador.  Já Élson Santiago continuou a comandar a sessão ordinária.

Deixe uma resposta