020519-politica-onibus

Segurança nos ônibus virou pauta da Câmara Municipal

Arrastões nos ônibus voltaram a ocorrer com mais intensidade

A questão da segurança nos ônibus foi pauta na Câmara Municipal de Rio Branco na manhã desta quinta-feira (02).

Os arrastões nos ônibus de Rio Branco voltaram a ocorrer com mais intensidade. No feriado de quarta-feira (1) dois coletivos foram alvos dos criminosos.

No bairro Recanto dos Buritis, um homem se passou por passageiro, ainda pagou sua passagem e minutos depois tirou uma escopeta de dentro de uma bolsa e anunciou o assalto, 20 passageiros, além do motorista, foram assaltados. O homem levou dinheiro, relógios e celulares e o caso foi registrado na Delegacia de Flagrantes (Defla).

No mesmo dia, outro arrastão ocorreu no ônibus que faz a linha do bairro Cidade do Povo.

João Marcos Luz (vereador MDB/AC), relatou que já pediu uma audiência com o governo e prefeitura para que juntos encontrem medidas para evitar essas ações criminosas.

“Primeiro que a prefeitura implante 100% da bilhetagem eletrônica tirando do ônibus todo e qualquer dinheiro, segundo que o Governo do Estado precisa garantir o direito de ir e vir da grande maioria, é a grande maioria que usa o transporte coletivo, precisamos ver também a questão dos policiamentos nos transportes públicos”, disse João Marcos.

O líder da prefeita na câmara também acredita que um sistema funcionando com 100% de bilhetagem eletrônica pode ajudar a resolver esses casos.

“Em relação à questão da bilhetagem eletrônica é necessário, nós estamos lutando e contamos, inclusive, com o apoio da câmara para acabar de vez com o dinheiro dentro do ônibus porque a não concentração de dinheiro faz com que a gente não tenha a atração de pessoas querendo roubar, furtar o ônibus para pegar aquele dinheiro”, disse o vereador (PT), Rodrigo Forneck.

Outra situação que contribui para deixar os coletivos vulneráveis para os assaltos é a falta de iluminação pública nas ruas da Capital. Na via Chico Mendes, no Segundo Distrito, por exemplo, o serviço não está funcionando.

“É necessário à iluminação nas ruas e tem áreas que são de responsabilidade do Governo do Estado, por exemplo, o parque da maternidade e tudo isso deve ser olhado agora, ou seja, tem que ser feito um mutirão porque é preciso tanto o Estado quanto à prefeitura garantir o direito de ir e vir daqueles que usam o transporte coletivo”, concluiu João Marcos.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*