050419-politica-edital

Sindicato aponta falhas em edital da saúde

Edital foi publicado no dia 1 de abril

Os representantes da Secretaria da Gestão Administrativa (SGA), Sindicato dos Médicos (Sindmed), Secretaria de Saúde (SESACRE), o Deputado Estadual Calegário e o Promotor da Primeira Promotoria Especializada de Saúde Gláucio Oshiro, se reuniram nesta sexta-feira (5) no Ministério Público para debater sobre o edital do processo seletivo para a contratação temporária de profissionais na área da saúde no Estado.

O edital foi publicado no dia 1 de abril. E segundo o Sindicato dos Médicos (Sindmed) já foi possível visualizar algumas falhas.

“Primeiro um erro em relação a taxa salarial que hoje você tem um médico iniciando com R$ 9.340,00 e com a titulação ele chega a quase R$ 11 mil e no concurso não, eles coloram R$ 9.340,00 e para um especialista R$ 10.260,00 que não dá os 20% então isso é criar margem para milhões de processos judiciais para tentar conseguir igualar, mas existe um esforço da SGA para resolver e o impasse maior vai ser o número de vagas”, falou o Presidente do Sindmed, Murilo Batista.

O sindicato também reforça a necessidade da abertura de vagas no certame, para mais especialidades médicas, visando à necessidade da população que busca atendimento diariamente nas unidades de saúde. A respeito disso, o Secretário de Saúde do Estado, Alysson Bestene, comentou sobre o assunto.

“A Sesacre sempre, desde o primeiro momento, reconhece esse déficit de profissionais no que diz respeito aos médicos especialistas, porém, quando a gente iniciou a gestão a gente percebeu que os contratos que existiam de forma precária eram apenas essas especializações diante de parecer jurídico a gente não pode ampliar essas vagas, mas a gente está dia e noite estudando a possibilidade de outro processo de contratação para médicos especialistas”, explicou o Secretário de Estado de Saúde, Alysson Bestene.

“Nós estamos analisando e acompanhando o lançamento do concurso simplificado com fins principalmente de não presenciar a paralisação do serviço da saúde que pode acontecer se esse simplificado não for dado andamento, então, nós chamamos diversos atores como a Sesacre, SGA, PGE e o próprio Sindmed que nos fez uma provocação e o Deputado Calegário também que foi o representante desse procedimento administrativo. Com base nisso estamos entrando em diálogo com todos esses atores para ajustar eventuais irregularidades vindas dentro do edital para que se consiga fazer da forma mais ágil e célere possível”, concluiu o Promotor da Primeira Promotoria Especializada de Saúde, Gláucio Oshiro.

 

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*