241218-politica-reuniaoderacre-cleristonamorim 410 305

Sintraba reclama de “calote” por parte do governo

Estado não teria dinheiro para pagar  trabalhadores

Após muita espera, os fornecedores e prestadores de serviço do estado ainda não receberam, por parte do governo, o pagamento da dívida de cerca de R$ 5 milhões, referente ao ano de 2017.

Ainda na sexta-feira (21) o Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários Autônomos de Bens do Estado do Acre (Sintraba) havia recebido a proposta por parte do governo de ser pago 50% da dívida e eles assinariam um documento de quitação, ou seja, seria pago apenas R$ 2 milhões e meio.

Mesmo com o acordo feito, na manhã de hoje, a Casa Civil informou que não havia dinheiro e eles não seriam pagos, “ficaram (os trabalhadores do Deracre) lá até sete horas da noite a Casa Civil liberar o orçamentário e o financeiro para empenhar e pagar, isso não aconteceu. Hoje os coitados ainda estão lá, aguardando, mas tenho certeza que ele não vai passar esse dinheiro,” disse Júlio Faria, presidente do Sintraba.

Apesar da negativa por parte do governo, os trabalhadores decidiram não realizar o bloqueio de algumas ruas da cidade, como havia sido informado que seria feito caso não recebessem, “agora cedo, em reunião com a categoria, nós decidimos não ir para o meio da rua como foi prometido, não fechar as quatro pontes, não prejudicar a sociedade, o comércio,” completou.

De acordo com o presidente do Deracre, Cristovan Pontes de Moura, as negociações ainda não foram encerradas, ainda na manhã de hoje ele iria na Secretaria de Fazenda para verificar o que pode ser feito, “ainda está muito incerto, os recursos ainda não cairam na totalidade e a gente está muito dependendo dessa situação financeira. Pelo que está se apresentado, é provável que não se chegue a esse recurso, ou se chegando, talvez ficaria em caixa, mas como a pagar, mas são hipoteses.”

“Estamos aqui apurando o que a gente pode honrar do que a gente se comprometeu com eles,” concluiu Moura.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*