300117-politica-mutiraojudiciario-tvgazeta

TJ intensifica julgamentos para obedecer CNJ

Mutirão: em presídios, apenas presos com sentenças

Começou nessa segunda-feira o Mutirão Judiciário que vai analisar e julgar 2.258 processos de detentos que estão no presídio, mas que ainda não foram julgados. Há três semanas, um grupo de trabalho vem analisando e preparando essas ações para que passem a ser julgadas durante essa semana. Na Capital, são 1.177 processos.

A presidente do Tribunal de Justiça do Acre, Cezarinete Angelim, lançou o mutirão conforme determinação do Conselho Nacional de Justiça, que deu um prazo de 90 dias para que os estados possam colocar em dia esses processos e que mantenham nos presídios, apenas as pessoas com as sentenças judiciais.

“Esse vai ser um grande esforço para reduzirmos esses processos. É bom que a população saiba que não vamos soltar presos. O que o Estado está se propondo é regularizar essa situação dos presídios e dos próprios detentos”, disse Cezarinete.

O mutirão nas varas criminais vai reunir servidores, juízes e promotores que atuam em outras varas, e que vão ajudar na concentração de esforços. A primeira etapa do mutirão vai até essa sexta-feira quando o grupo já apresenta os primeiros resultados.

O TJ ainda vai lançar os mutirões onde serão realizadas as audiências de instrução e julgamento mais complexas, como processos onde envolvem pessoas acusadas de fazer parte de facções. Essas ações estão com mais de 100 réus cada uma.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*