Prefeitura de Rio Branco e Governo do Estado divergem sobre o número de casos de covid-19 na capital

A Prefeitura da capital acreana critica a forma de como o Governo vem administrando a política de controle e até de vacinação

Os números dos casos confirmados de covid-19 apresentados pela Secretaria Estadual de Saúde (Sesacre), criou um clima desagradável para a Secretaria Municipal de Saúde de Rio Branco (SEMSA).

As informações apontavam que entre o dia 01 e 15 de janeiro foram 1.140 casos confirmados, com isso, a Prefeitura de Rio Branco rapidamente reagiu, disse que na capital, onde estão 55% dos moradores do estado, foram registrados 206 casos positivos e perguntou onde estariam os outros 934 casos. Tudo no interior.

“Não estamos tendo esses casos aqui em Rio Branco, então assim, o Estado precisa nos mostrar qual é o município que está tendo esses números elevados de casos de covid-19”, afirma a secretária de saúde Sheila Andrade

A Prefeitura da capital acreana critica a forma de como o Governo administra a política de controle e até de vacinação da covid-19, pois não existem parcerias, conversas, além disso, os números do Governo e município divergem.

A Secretaria de Saúde mandou um recado ao Programa Nacional de Imunizações (PNI) e a Secretaria Estadual de Saúde (Sesacre), para que eles busquem saber qual é o município que está ocorrendo o número elevados de casos de coronavírus, para que sejam montadas estratégias e assim atender essa comunidade.

A responsável pelo Centro de Formação Estratégica de Vigilância, Débora Santos, que emite alerta quando determinadas doenças tem um crescimento no número de casos, disse que não existe motivo para preocupação.

Os dados oficiais apontam 631 casos nos primeiros 15 dias de janeiro. Os números dos boletins com 1.140 pessoas com exames positivos, é devido aos casos represados de dezembro e que foram somados. Além disso, outra informação é que Rio Branco tem a metade dos casos positivos de primeiro a 15 de janeiro, foram 322 exames positivos, e não 206, como diz a Prefeitura.

“Pode acontecer de os municípios inserir os dados tardiamente e isso pode se dá pela grande demanda. Nós sabemos que existem uma escassez de profissionais em todas as áreas, além disso, pode ser também o sistema, já que tivemos vários problemas com todos os sistemas do Ministério da Saúde”, acrescenta Santos

Desde o dia 01 de janeiro até essa quarta-feira,18, foram 680 casos positivos de covid-19 e esses números ainda não representam sinal de alerta para a doença.

Com informações do repórter Adailson Oliveira para TV Gazeta 

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*