Urap Cláudia Vitorino começa atender apenas pessoas com síndrome gripal nesta sexta-feira

Outras medidas também foram adotadas para combater a covid-19 e a Síndrome Gripal

A partir desta sexta-feira, 14, a Unidade de Referência em Atenção Primária (Urap) Cláudia Vitorino, localizada na Rua Baguari, na entrada do bairro Taquari, vai atender exclusivamente pessoas com Síndrome Gripal, das 7h às 22h, segundo a secretária Municipal de Saúde, Sheila Andrade.

Outras medidas serão adotadas pela Prefeitura de Rio Branco para combate e prevenção da Síndrome Gripal e covid-19 no município:

  • Decreto suspendendo as férias, licença-prêmio e folgas de todos os servidores da Saúde, para contribuírem com o atendimento nas unidades de saúde;
  • Através de Nota Técnica, restringir os testes da covid-19, sendo realizado apenas nas pessoas com sintomas de coronavírus;
  • Convocar cerca de 18 médicos que seguem em greve;
  • Intensificar as consultas de covid-19 pelo atendimento no Telessaúde, que garante ao usuário consulta médica e até marcação de exames por chamadas telefônicas com voz e vídeo ou, ainda, por meio do chat on-line gratuito. O atendimento pode ser feito via telefone, ligando para o (68) 3216-2400, de segunda a sexta-feira, das 7h às 18h, e aos fins de semana e feriados, das 8h às 17h, ou por chat nas redes sociais da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) nesses mesmos horários.

Tais medidas foram tomadas em reunião nesta quinta-feira, 13, do prefeito de Rio Branco, Tião Bocalom, com a secretária Municipal de Saúde, Sheila Andrade, o Secretário Municipal da Casa Civil, Valtim José, o Assessor Parlamentar, Helder Paiva e o coordenador de Assuntos Jurídicos e Atos Oficiais do Gabinete do Prefeito, Jorge Bezerra, para analisar a Situação de Emergência em Saúde Pública.

A secretária Sheila Andrade ressaltou que é fundamental que a população continue com os protocolos de segurança e proteção contra a covid-19, “é importante lembrar que só procure a unidade de saúde se você estiver necessitando porque as nossas unidades estão superlotadas nesse momento. E muitas pessoas não estão doentes. Então nós ajude, vamos unir forças pra que a gente não espalhe mais ainda”.

Com informações de Aline Rocha

Deixe uma resposta