Autor: Roberth Alencar

O toque de recolher das facções criminosas e a instabilidade da segurança pública no Acre

Nos últimos dias, a população acriana voltou a conviver com a angústia de acompanhar atos extremos de violência originados de conflitos existentes entre organizações criminosas que atuam no estado. Segundo o teor de “comunicados” amplamente divulgados nas redes sociais, aplicativos de mensagens e notas da imprensa local, supostamente veiculados por […]

O jogo político e a investigação contra a suposta máfia dos precatórios no Acre

Tornou-se pública na sexta-feira passada, dia 21, por meio de ampla divulgação nos diversos veículos de comunicação, uma investigação coordenada pela Polícia Civil do estado do Acre que envolve fatos sobre atos de corrupção relacionados ao pagamento de “precatórios”. A Polícia Judiciária efetivou o cumprimento de mandados judiciais de busca […]

O conflito politizado do cadastro de reserva dos concursos policiais no Acre

Os concursos públicos para as áreas policiais viraram sensação entre aqueles que sonham em proteger a sociedade, o patrimônio público, preservar a ordem e investigar crimes. Além da meta profissional, os fatores estabilidade funcional e boa remuneração têm fomentado uma grande concorrência e demanda dos certames. Para centenas de acreanos, […]

A dificuldade de integração das forças policiais no Acre

Recentemente, um áudio do atual Secretário de Justiça e Segurança Pública do Acre virou manchete na mídia acreana. Na conversa mantida pelo aplicativo de mensagens “whatsapp” com um oficial da Polícia Militar, o secretário, entre outras questões, afirmou: “Na verdade, é uma operação conjunta, eles têm que compreender isso. Sei […]

O poder paralelo das facções no dia a dia de Rio Branco

A crise sanitária provocada pela pandemia da Covid-19 e seus efeitos devastadores, agravados nas últimas semanas, continuam a ocupar o cenário do cotidiano de todos os cidadãos brasileiros. Em nossa capital, Rio Branco, a situação ainda é mais assustadora, pois os números de infectados e mortos pelo vírus não param […]